Botafogo - (21) 3518-8830 / (21) 3518-8836
Tijuca - (21) 2568-2599 / (21) 2568-7650
Méier - (21) 2501-3958 / (21) 2501-1299

Quando se preocupar com dor nas costas em crianças – parte I

Quando se preocupar com dor nas costas em crianças – parte I

A dor nas costas é uma fonte conhecida de desconforto em adultos, mas também está sendo diagnosticada com mais frequência em crianças e adolescentes. A maioria dos pais não espera que crianças saudáveis ​​se queixem de dor nas costas - um problema que as pessoas geralmente associam como uma doença dos anos de meia idade ou mais tarde. No entanto, a verdade é que a dor nas costas é muito comum em crianças e adolescentes. Então, se você está se sentindo preocupado, você não está sozinho. Aqui você pode encontrar informações sobre as causas da dor nas costas, e quando você pode precisar examinar mais detalhadamente seu filho.

A dor nas costas ocorre entre 10% e 30% das crianças e adolescentes e as razões podem ser: maior peso corporal de crianças e maiores taxas de obesidade, maior intensidade em atividades esportivas durante todo o ano e aumento do peso das mochilas usadas pelos jovens estudantes na escola.

Algumas das preocupações das pessoas com dor nas costas incluem saber quando o problema pode ser mais grave do que uma simples tensão e saber quando os testes de imagem especializados podem ser úteis. Para isso, é importante conhecer os sinais de alerta de quando uma dor nas costas em uma pessoa mais nova pode ser algo mais grave. Veja abaixo:

  • Dor noturna (especialmente a dor que desperta o sono do seu filho)
  • Sintomas constantes de dor
  • Sintomas de doença generalizada (febre, arrepios, mal-estar, perda de peso)
  • Sintomas que persistem além de várias semanas
  • Sintomas em crianças muito novas
  • Dor nas pernas, dormência ou fraqueza

Estes sinais de alerta não significam necessariamente que existe um problema mais grave, no entanto, eles são um bom teste de triagem para determinar se é necessário prosseguir a avaliação. Por exemplo, a dor nas costas muscular pode persistir por meses, no entanto, se os sintomas estiverem acontecendo por várias semanas, é melhor garantir que o diagnóstico seja claro.

Embora existam sérias causas de dor nas costas, a grande maioria das crianças com dor nas costas apresenta sintomas que resultam de lesões musculares ou ligamentares, sem qualquer anormalidade estrutural.

Dores nas costas de causas musculares

Conforme afirmado, a dor nas costas muscular é, de longe, a causa mais comum de dor nas costas em crianças e adolescentes; cerca de dois terços de todas as crianças queixam-se de dor nas costas sendo diagnosticadas com esse tipo de lesão.

As lesões incluem lesões musculares, ligamentos, lesões por uso excessivo, problemas de postura e mau condicionamento dos músculos das costas. Na maioria das vezes, imagens, incluindo raios-x, tomografias e ressonâncias magnéticas não são úteis para fazer esse diagnóstico, e esses testes geralmente não são necessários, a menos que existam os sinais de aviso acima mencionados. Tal como acontece com qualquer teste, há desvantagens para testes excessivos (exposição à radiação e testes podem levar a outros testes ou procedimentos desnecessários), então você deve discutir com seu médico o valor de obter qualquer estudo de imagem específico.

Geralmente, dor muscular nas costas responderá ao repouso e modificações nas atividades. Muitos tratamentos podem proporcionar alívio transitório e, embora os efeitos em longo prazo dos tratamentos sejam discutíveis, geralmente são seguros. Esses tratamentos podem incluir fisioterapia, tratamento quiroprático, programas de alongamento (yoga) ou tratamento de massagem.

Fraturas de Estresse

Fraturas de estresse podem ocorrer na coluna vertebral. Na maioria das vezes, essas fraturas de estresse ocorrem em adolescentes, e esses adolescentes podem nunca saber que ocorreu uma lesão. Ao longo do tempo, sinais da fratura de estresse podem aparecer.

O tipo mais comum de fratura de estresse espinhal é chamado de espondilólise, uma lesão no osso na parte posterior da coluna vertebral. Esta lesão ocorre mais frequentemente em adolescentes que fazem esportes envolvendo hiperextensão repetitiva (dobrando para trás) da coluna vertebral, como ginastas, mergulhadores e praticantes de artes marciais. Se a fratura de estresse ocorre em ambos os lados da coluna vertebral, isso pode causar instabilidade da coluna vertebral, ou uma condição chamada espondilolistese. Esta condição, também chamada de "deslizamento" da coluna vertebral, pode levar ao alinhamento da coluna vertebral para mudar.

As fraturas de estresse podem deixar as crianças e os pais nervosos, porque essas lesões normalmente não curam, e podem causar sintomas na adolescência e na idade adulta jovem. No entanto, as crianças e adolescentes com diagnóstico de espondilólise são tratados inicialmente de forma não cirúrgica e, na verdade, muitos melhoram com tratamentos menos invasivos. A cirurgia é geralmente reservada para aqueles que sofrem de dor persistente, mesmo após tratamento não cirúrgico, ou aqueles com escorregamento severo que levam à perda do alinhamento da coluna vertebral e desvio do eixo sagital.

Estudos de longo prazo mostram que a chance de ter dor nas costas na idade adulta é inalterada pela presença de uma fratura de estresse na infância. Ou seja, a chance de desenvolver dor nas costas na idade adulta é pouco alterada por ter espondilólise quando criança.

Lesões de disco intervertebral

As hérnias de disco são muito menos comuns em crianças do que em adultos, mas podem ocorrer e podem causar sintomas graves. Quando ocorre uma hérnia de disco da coluna vertebral, a almofada macia entre duas vértebras é rompida. Este material de disco é forçado a sair do seu espaço normal e pode empurrar contra os nervos e a medula espinhal. Os sintomas de uma hérnia de disco podem incluir dor nas pernas, entorpecimento e formigamento nas pernas, fraqueza das extremidades inferiores e dificuldade em dobrar ou endireitar a coluna vertebral. Os testes de RNM (Ressonância Nuclear Magnética) podem ser úteis para diagnosticar uma hérnia de disco, pois os raios-x normalmente serão normais.

Em crianças, o material de disco normal é flexível e elástico - tem uma capacidade muito melhor de suportar forças incomuns na coluna vertebral. À medida que envelhecemos, o disco perde sua elasticidade e flexibilidade, e pode se tornar propenso a ruptura. No entanto, mesmo na população mais jovem, os discos podem se romper devido a forças excessivas (lesões traumáticas) ou a uma estrutura anormal do disco e causar esses sintomas de hérnia. Na maioria das vezes, as hérnias de disco podem ser gerenciadas sem uma cirurgia, mas crianças e adolescentes com dor ou sinais intensos de lesão nervosa significativa podem se beneficiar de um procedimento cirúrgico para aliviar a pressão sobre o nervo.

Na próxima semana, traremos a segunda parte desse post sobre dor nas costas em crianças. Falaremos sobre infecção infantil, deformidades e alterações de alinhamento da coluna e tumores. Nos siga no Facebook e não perca nenhuma novidade aqui do blog.

Voltar para Blog