Botafogo - (21) 3518-8830 / (21) 3518-8836
Méier - (21) 2501-3958 / (21) 2501-1299
Tijuca - (21) 2568-2599 / (21) 2568-7650

Espondilolistese e o tratamento cirúrgico Minimamente invasivo

Espondilolistese e  o tratamento cirúrgico Minimamente invasivo

A espondilolistese ocorre quando um corpo vertebral desliza para a frente por baixo daquele. Existem alguns tipos, sendo as mais comuns: espondilolistese degenerativa e espondilolistese ístmica. A maioria dos pacientes com espondilolistese responde bem ao tratamento não cirúrgico, como medicamentos, fisioterapia, terapias de reforço muscular e infiltrações.

Quando pensar na cirurgia para espondilolistese?

  1. Quando o deslizamento vertebral piora progressivamente.
  2. Desenvolve-se uma instabilidade da coluna vertebral, começa a piorar a dor.
  3. Dor e sintomas que não podem ser gerenciados sem cirurgia.
  4. Disfunção neurológica, como fraqueza em pernas e surgimento e piora das dormências em membros inferiores.
  5. A disfunção intestinal ou da bexiga aparece (urgência)

Procedimentos cirúrgicos para espondilolistese

Seu cirurgião de coluna pode recomendar um procedimento cirúrgico da coluna minimamente invasivo (MIS) em vez da cirurgia tradicional da coluna. Os objetivos da cirurgia minimamente invasiva para espondilolistese incluem: tratar a compressão do nervo (isso é chamado de descompressão) e estabilizar a coluna . A fusão espinhal ou artrodese e a instrumentação são realizadas para impedir que o corpo vertebral deslize mais para frente e mantenha a coluna orientada e equilibrada.

Benefícios dos princípios da Microcirurgia para espondilolistese

  • Incisões menores
  • Danos na pele e nos músculos são minimizados
  • Menor tempo cirúrgico principal
  • Menor perda sanguenea
  • Menor dor no pós operatório
  • Estadia hospitalar curta duração
  • Recuperação mais rápida
  • Retornar às atividades normais mais cedo
  • Cicatrizes menores

Muitos procedimentos cirúrgicos da coluna são realizados usando tecnologias minimamente invasivas. Discuta a melhor opção para tratar sua espondilolistese.

Procedimentos cirúrgicos para espondilolistese incluem: ALIF, PLIF e TLIF. O "LIF" em cada abreviação significa fusão intercorporal lombar. A primeira letra em cada abreviatura designa a abordagem da fusão vertebral: anterior (frente), posterior (posterior) e transforaminal (lateral).

ALIF, PLIF e TLIF têm todos os mesmos objetivos cirúrgicos. Ao usar esses tipos de cirurgia, o cirurgião normalmente tem três objetivos principais:

  1. Remover a pressão nos seus nervos espinhais (descompressão)
  2. Consertar o alinhamento da coluna
  3. Estabilizar a coluna

Enquanto a pressão é retirada dos nervos e a coluna é estabilizada, a cirurgia é considerada um sucesso. Atualmente deve ser utilizado a monitorização neurofisiológica intra-operatória para aumentar a segurança do procedimento. Na parte descompressiva da cirurgia, o cirurgião removerá qualquer coisa que esteja pressionando um nervo e causando dor (pode ser osso, fibrose, ligamentos anormais, pseudo capsulas).

O tipo de cirurgia de descompressão irá ser realizada depende de qual estrutura da coluna está interferindo na raiz nervosa. A compressão do nervo com espondilolistese pode vir de 4 fontes principais:

1 - Abaulamento ou hérnia de disco: O cirurgião fará uma discectomia para remover a parte do disco que está comprimindo o nervo

2 - Forame estreitado: no forame, os nervos espinais saem da vértebra e se dirigem para várias partes do corpo. Espondilolistese pode estreitar o forame quando a vértebra se desloca para a frente. O cirurgião realizará uma foraminotomia (abrindo mais espaço para os nervos passarem pelo forame) e/ou um realinhamento vertebral.

3 - Estenose espinhal central: Se a medula espinhal e/ou os nervos espinhais não têm espaço suficiente à medida que viajam pela sua espinha através do canal vertebral, ela é chamada de estenose espinhal central. Para dar mais espaço, o cirurgião pode fazer uma laminectomia, removendo a lâmina (pense nisso como o teto sobre a parte de trás da coluna).

4 - Estenose de recesso lateral / Fragmento de Gill: Parte da articulação facetária pode se romper em espondilolistese - é então chamada de fragmento de Gill. Pode pressionar os nervos, então o cirurgião fará uma facetectomia para remover o fragmento de Gill.

Ao remover um disco e/ou outra estrutura da coluna pode tornar sua espinha instável. Se o cirurgião deixar essa "lacuna" na coluna, a coluna vertebral não funcionará adequadamente. Também não seria capaz de suportar movimentos de peso ou almofadas. Para resolver isso, os cirurgiões irão estabilizar a coluna usando uma fusão. Tanto a partir da frente (anterior), costas (posterior) ou lateral (transforaminal), o cirurgião irá preencher a lacuna com um enxerto ósseo. Isso pode ser feito a partir de seu próprio corpo (autoenxerto), Sintético e também, muito comum nos EUA, de um doador. Existem também substâncias sintéticas que promoverão o crescimento ósseo.

Com o tempo, o enxerto ósseo irá fundir as vértebras. Para apoiar a espinha à medida que a fusão cicatriza, o cirurgião usará equipamentos espinhais, como parafusos, hastes e gaiolas.

Imagem 1: Aberta “tradicional”                			Imagem 2: Mis – Tlif (micro)Aberta “tradicional” Mis – Tlif (micro)

Cirurgia minimamente invasiva

Para os pacientes, a cirurgia minimamente invasiva é um grande desenvolvimento. A cirurgia minimamente invasiva é feita através de várias pequenas incisões, ao contrário de uma grande incisão - é assim que a cirurgia tradicional da coluna é feita. Usando microscópios e instrumentos muito pequenos, o cirurgião pode tratar a espondilolistese fazendo uma descompressão e uma fusão. Lembrando o que já falamos antes, com uma cirurgia minimamente invasiva, você também perderá menos sangue durante a cirurgia, e o cirurgião não terá que cortar tanto seus músculos, ligamentos e tendões. Por causa desses dois fatores, você terá uma permanência hospitalar mais curta e um tempo de recuperação mais curto.

ALIF, PLIF e TLIF podem todos ser executados de forma minimamente invasiva. Para cirurgias de espondilolistese, muitos cirurgiões usam uma combinação de procedimentos minimamente invasivos e abertos em uma técnica chamada "mini open", que é pequena abertura. O importante é respeitar o principio de menor dano muscular para ser chamada uma técnica minimamente invasiva.

Em caso de dúvidas marque uma consulta com seu médico especialista em cirurgia e medicina da coluna.

Forte Abraço a todos e até o próximo tema.

Voltar para Blog