Botafogo - (21) 3518-8830 / (21) 3518-8836
Tijuca - (21) 2568-2599 / (21) 2568-7650
Méier - (21) 2501-3958 / (21) 2501-1299

Microdiscectomia percutânea

Microdiscectomia percutânea

Historicamente, a cirurgia aberta (por exemplo, uma grande incisão) foi usada para tratar a dor ciática, removendo parte do disco intervertebral para proporcionar descompressão e aliviar a pressão do disco nas raízes nervosas adjacentes. Os pacientes que necessitam de cirurgia de descompressão são tipicamente aqueles que sofrem dor ciática ou na perna causada por um disco intervertebral herniado, protuso, abaulado. As técnicas cirúrgicas de descompressão do disco avançaram e agora o tratamento é realizado através de micro incisões e mesmo através de endoscópios - tudo feito com microscópio ou tecnologia similar para ver o acesso ao disco herniado.

Para alguns pacientes, no entanto, ainda mais métodos minimamente invasivos foram disponibilizados, para que a descompressão completa seja realizada percutaneamente através de uma agulha. Os pacientes que podem se beneficiar da descompressão percutânea do disco ou da "discectomia percutânea", como é chamada, são aqueles com dores que surgem de um disco herniado contido - que é um disco abaulado sem ruptura na parede externa (ou seja, ele não se encontra extreuso).

  • Avanços da medicina

O uso de procedimentos percutâneos para descomprimir os discos intervertebrais remonta à década de 1960. Os procedimentos iniciais mostraram de forma conclusiva que a descompressão percutânea do disco efetivamente alivia a dor para pacientes apropriados. Os procedimentos iniciais tiveram limitações e, ao longo dos anos, foram desenvolvidas várias técnicas mais avançadas.

Uma forma avançada de discectomia percutânea desenvolvida até o momento usa uma tecnologia de plasma para remover o tecido do centro do disco. Durante o procedimento, um instrumento é introduzido através de uma agulha e colocado no centro do disco onde uma série de canais são criados para remover o tecido do núcleo. A remoção de tecido do núcleo atua para descomprimir o disco e aliviar a pressão exercida pelo disco na raiz nervosa próxima. À medida que a pressão é aliviada, a dor é reduzida, consistente com os resultados clínicos dos procedimentos anteriores de discectomia percutânea. Há poucos traumatismos nos tecidos e os tempos de recuperação podem ser melhorados em muitos pacientes.

Embora os dados de longo prazo não estejam disponíveis, estudos iniciais mostram alívio da dor prolongado para um ano, com os pacientes permanecendo estáveis em seus níveis iniciais de dor pós-procedimento. A evidência está aumentando a respeito do alívio da dor ser mantido através de dois anos pós-procedimento e além.

  • Quem é o paciente certo?

Para pacientes adequadamente selecionados, a discectomia percutânea pode ajudar a aliviar os sintomas da dor nas costas e nas pernas, incluindo ciática e radiculopatia e até mesmo dor axial pura causada por uma "protrusão focal central" ou protuberância central do disco (abaulamento). A discectomia percutânea é um tratamento amplamente aceito para pacientes com pequenas hérnias contidas e também pode ser uma opção promissora para pacientes com grandes hérnias contidas (disco não rompido) nos casos em que a cirurgia aberta não é considerada um tratamento adequado.

  • O que esperar?

A discectomia percutânea é um procedimento direto. O paciente recebe anestesia local e sedação leve. Não é necessária anestesia geral. A inserção da agulha é simples, com pouca dor ou nenhuma dor. Uma vez que a agulha é inserida no disco, a descompressão do disco em si leva apenas alguns minutos. Todo o procedimento leva cerca de 30 minutos e o paciente pode sair da área de recuperação com apenas um pequeno curativo sobre o local de inserção da agulha.

A recuperação pós-procedimento não demanda exigência e os pacientes geralmente sentem pouca dor após o procedimento. Os pacientes são obrigados a evitar o levantamento e o exercício extenuante por um período de tempo de, em média, 04 dias. Um paciente pode retomar o trabalho sedentário na semana seguinte (também em média de 04 dias), porém pacientes com ocupações mais exigentes fisicamente podem precisar aguardar mais alguns dias para retornar ao trabalho. A terapia física de cinesioterapia pode ser prescrita com reabilitação e reforço do “core” abdominal.

Referências bibliográficas

  1. Chen Y, Lee SH, Chen D. Intradiscal Pressure Study of Disc Decompression with Nucleoplasty in Human Cadavers. 2003;28(7):661-5.
  2. Karasek M, Bogduk N. Twelve-month follow-up of a controlled trial on intradiscal thermal anuloplasty for back pain due to internal disc disruption. 2000;25:2601-2607.
  3. Onik G, Maroon J, Davis GW. Automated percutaneous discectomy at the L5-S1 level. Use of a curved cannula. Clin Orthop. 1989;238:71-76.
  4. Ray CD. Threaded fusion cages for lumbar interbody fusions: economic comparison with 360° fusions. Spine. 1997;22:681-685.
  5. Saal JS, Saal JA. Management of chronic discogenic low back pain with a thermal intradiscal catheter. A preliminary study. 2000;25:382-388.
  6. Singh V, Derby R. Percutaneous Lumbar Disc Decompression. Pain Physician. 2006;9:139-146.
  7. Yorimitsu E, Chiba K, Toyama Y, et al. Long-term outcomes of standard discectomy for lumbar disc herniation: a follow-up study of more than 10 years. 2001;26:652-7.

Voltar para Blog