Botafogo - (21) 3518-8830 / (21) 3518-8836
Méier - (21) 2501-3958 / (21) 2501-1299
Tijuca - (21) 2568-2599 / (21) 2568-7650

Dor no Pescoço e Dores de Cabeça (Cervicalgia e Cefaleia cervicogênica)

Como tratar dores de cabeça cervicogênicas?

QUESTÃO SOBRE CEFALEIA DE ORIGEM CERVICOGÊNICA

Pergunta: Paciente adulto jovem machucou o pescoço em um acidente de carro há cerca de um ano. Nada foi fraturado, mas apresentou um disco protuberante no pescoço como resultado. A dor de cabeça começou apenas no pescoço no início, mas logo começou a ter dores de cabeça na parte de trás da cabeça e em direção ao topo. Às vezes, a dor se move por trás dos olhos também. Aumento da frequência de dores de cabeça que ocorrem regularmente desde o pequeno acidente. Por que esses pacientes sentem dores de cabeça e dores no pescoço? O que pode ser feito para aliviar as dores de cabeça?

Resposta: As dores de cabeça cervicogênicas, são causadas por dor no pescoço. A dor referida é a dor que se afasta de onde se origina. Nesse caso, a fonte de dor está no pescoço, e a dor irradia para a parte de trás de sua cabeça, em uma ou ambas as têmporas, e um ou ambos os olhos. As dores também podem se localizar na região posterior na base da cabeça e pioram em movimentos de rotação e inclinação para trás. Entretanto, atenção, pois dores de cabeça cervicogênicas, às vezes, são diagnosticadas erroneamente e confundidas como enxaqueca ou cefaleia em salvas (cluster) que são dores de cabeça extremamente dolorosas que vêm e vão periodicamente, sem padrão anatômico. Por isso o nome "cluster" que quer dizer em períodos. Ambas as enxaquecas e dores de cabeça cluster surgem dentro das coberturas da membrana sensível dos vasos sanguíneos dentro do crânio. Em outras palavras, elas se originam na sua cabeça, sem correlação com a cefaleia de origem cervicogênica.

No entanto, as dores de cabeça cervicogênicas - embora sentidas na parte de trás da cabeça e, às vezes, nas têmporas ou atrás dos olhos - na maioria das vezes, surgem de um problema na coluna cervical superior e algumas vezes no resto da coluna cervical. Como os 3 segmentos superiores da coluna cervical compartilham os tratos nervosos com o próprio crânio, a dor é incompreendida e, portanto, "sentida" pelo cérebro como estando localizada na cabeça. Infelizmente, muitos pacientes são diagnosticados erroneamente e tratados a cada ano que passa como portadores de enxaqueca ou cefaleia em salvas (cluster), e não recebem um diagnóstico ou tratamento adequado para o distúrbio da cefaleia cervicogênica.

Como a dor no pescoço pode causar dores de cabeça?

Anatomicamente e fisiologicamente, as 3 raízes cervicais espinais superiores (localizadas em C1, C2 e C3) compartilham um núcleo de dor (que encaminha os sinais de dor para o cérebro) com o nervo trigêmeo. Esse nervo é o principal nervo sensorial que transporta mensagens do seu rosto para o cérebro.

As 3 raízes nervosas superiores da coluna cervical enviam fibras em direção à cabeça que convergem nos núcleos trigeminais, que estão localizados no topo da medula espinhal. Esses núcleos transmitem mensagens de dor através do trato trigemino-cervical.

Pense no trato trigemino-cervical como uma estação de retransmissão onde os sinais de dor são enviados através dos tratos nervosos primeiro para o tálamo no mesencéfalo e depois para a região cortical mais alta do cérebro. É nesses centros talâmicos e corticais que a dor adquire suas qualidades definidoras, incluindo a gravidade, o significado, como o corpo deve responder a ela e de onde ela se originou.

O cérebro não é bom em definir a localização precisa da dor que vem do pescoço. É por isso que o cérebro geralmente confunde a dor da coluna cervical como uma dor de cabeça.

Como tratar dores de cabeça cervicogênica?

Como regra geral, o tratamento começa quando o diagnóstico de cefaleia cervicogênica foi feito. Um diagnóstico adequado deve incluir:

Histórico médico detalhado e exame físico.

Radiografias simples da coluna cervical, incluindo vistas em flexão / extensão das articulações facetarias e outras articulações nos 3 segmentos superiores da coluna cervical. Avaliar osteófitos e osteoartrose cervical. Algumas vezes Raio-x com visão de boca aberta do crânio e uma radiografia lateral do crânio pode ser necessária.

Tomografia computadorizada ou ressonância magnética da coluna cervical são exames fundamentais para avaliar: Artrose Facetária, Uncoartrose, Sinovite Facetária, Discopatia degenerativa associada, estreitamento medular e outras doenças da coluna cervical.

Podem ser considerados fármacos para dor, incluindo anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), agentes anticonvulsivantes, como a gabapentina, antidepressivos tricíclicos e / ou medicamentos para enxaqueca, como a Amitriptilina. Muitos pacientes que procuram um especialista em tratamento da dor terão tentado um ou mais desses agentes, embora a maioria tenha se mostrado menos que espetacularmente útil.

Se os analgésicos se mostrarem mal sucedidos, então procedimentos minimamente invasivos específicos de dor intervencionista devem ser considerados. Estes incluem os simples, mas frequentemente úteis, bloqueios do nervo occipital, bloqueio articular atlantoaxial administrado em C1-C2 e / ou bloqueios facetários, bloqueio do ramo medial, bloqueios facetários de C1/C2/C3. Essas injeções são realizadas orientadas por um aparelho de radioscopia digital, em regime de internação ambulatorial/ day clinic com anestesia local e leve sedação para conforto e segurança do paciente.

Arco em C - imagem ilustrativa

É importante que você e seu médico percebam que, inicialmente, um ou mais bloqueios de diagnóstico de nervo no pescoço precisarão ser realizados. Isso exigirá paciência de você e do seu médico. Fazer um bloco de diagnóstico de cada vez para ver se ele reduz sua dor ajudará a diminuir a origem da dor de cabeça dentro da coluna cervical.

Em caso de bloqueio positivo, isto é, as dores melhoraram com o bloqueio, continuamos o tratamento com a denervação por radiofrequência da coluna cervical. Tratamento esse é realizado sob anestesia local e sedação em regime de day clinic para conforto e segurança do paciente.

Resumo do tratamento da dor de cabeça cervicogênica

O sucesso do tratamento da cefaleia cervicogênica geralmente requer uma abordagem multifacetada, com intervenções farmacológicas, não farmacológicas, abordagens com bloqueios anestésicos, abordagens minimamente invasivas e, ocasionalmente, cirúrgicas. Medicamentos sozinhos são frequentemente ineficazes ou proporcionam apenas benefícios modestos para esta condição e com alguns efeitos colaterais.

Injeções anestésicas podem reduzir temporariamente a intensidade da dor, mas têm seu maior benefício, permitindo uma maior participação nas modalidades de tratamento físico.

O sucesso do diagnóstico de nervo espinhal cervical, ramo medial ou bloqueio articular zigapofisário, isto é bloqueio facetário ou bloqueio do ramo medial cervical pode prever a resposta à denervação térmica por radiofrequência. O desenvolvimento de um plano de tratamento individualizado melhora os resultados de sucesso. Mas seja paciente - encontrar a fonte de sua dor melhorará muito o sucesso do tratamento. Procure seu médico especialista da coluna e tire suas dúvidas.

Referências bibliográficas:
1 Blau JN, MacGregor EA. Migraine and the neck. Headache. 1994;34:88-90.
2 Sjaastad 0, Saunte C, Hovdahl H, Breivik H, Gronback E. “Cervicogenic” headache. A hypothesis. Cephalalgia. 1983;3:249-256.
3 Edmeads J. The cervical spine and headache. Neurology. 1988;38:1874-1878.
4 Pollmann W, Keidel M, Pfaffenrath V. Headache and the cervical spine: a critical review. Cephalalgia. 1997;17:501-516.
5 Leone M, D'Amico D, Grazzi L, et al. Cervicogenic headache: a critical review of the current diagnostic criteria. Pain. 1998;78:1-5.
6 Bogduk N. The anatomical basis for cervicogenic headache. J Manipulative Physiol Ther. 1992;15:67-70
7 Tfeld-Hansen P, Lous I, Olesen J. Prevalence and significance of muscle tenderness during common migraine attacks. Headache. 1981;21:49-54.
8 Kaniecki RG. Migraine and tension-type headache: an assessment of challenges in diagnosis. Neurology. 2002;58 (9 Suppl 16):S15-S20.
9 Waelkens J. Warning symptoms in migraine: characteristic and therapeutic implications. Cephalalgia. 1985;5:223-228.
10 DeMarinis M, Accornero N. Recurrent neck pain as a variant of migraine: description of four cases. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 1997;62:669-670.
11 Lebbink J, Speirings EL, Messinger HB. A questionnaire survey of muscular symptoms in chronic headache: an age- and sex-controlled study. Clin J Pain. 1991;7:95-101.
12 Marcus D, Scharff L, Mercer MA, Turk DC. Musculoskeletal abnormalities in chronic headache: a controlled comparison of headache diagnostic groups. Headache. 1999;39:21-27.
13 Haldeman S, Dagenais S. Cervicogenic headaches: a critical review. Spine J. 2001;1(1):31-46.
14 van Suijlekom HA, Lame I, Stomp-van den Berg SG, Kessels AG, Weber WE. Quality of life of patients with cervicogenic headache: a comparison with control subjects and patients with migraine or tension-type headache.Headache . 2003;43:1034-1041.
15 Sjaastad 0, Fredriksen TA, Pfaffenrath V. Cervicogenic headache: diagnostic criteria. Headache. 1998;38:442-445.
16 Hall T, Robinson K. The flexion-rotation test and active cervical mobility—a comparative measurement study in cervicogenic headache. Man Ther. 2004;9:197-202.
17 Fredriksen TA, Fougner R, Tangerud A, Sjaastad O. Cervicogenic headache: radiological investigations concerning headneck. Cephalalgia. 1989;9:139-146.
18 Coskun O, Ucler S, Karakurum B, Atasoy HT, Yildirum T, Ozkan S, et al. Magnetic resonance imaging of patients with cervicogenic headache. Cephalalgia. 2003;23:842-845.
19 Pfaffenrath V, Dandekar R, Pollmann W. Cervicogenic headache-the clinical picture, radiological findings and hypotheses on its pathophysiology. Headache. 1987;27:495-499.
20 Delfini R, Salvati R, Passacantilli E, Pacciani E. Symptomatic cervicogenic headache. Clin Exp Rheumatol. 2000;18(Suppl 19):S29-S32.
21 Pikus HJ, Phillips JM. Outcome of surgical decompression of the second cervical root for cervicogenic headache. Neurosurgery. 1996;39(1):63-70.
22 Pikus HJ, Phillips JM. Characteristics of patients successfully treated for cervicogenic headache by surgical decompression of the second cervical root. Headache. 1995;35:621-629.
23 Jansen J, Bardosi A, Hildebrandt J, Lucke A. Cervicogenic, hemicranial attacks associated with vascular irritation or compression of the cervical nerve root C2. Clinical manifestations and morphological findings. Pain. 1989;39:203-212.
24 Lord SM, Barnsley L, Wallis BJ, Bogduk N. Chronic cervical zygapophyseal joint pain after whiplash. A placebo-controlled prevalence study. Spine. 1996;21:1737-1744.
25 Drottning M, Staff PH, Sjaastad O. Cervicogenic headache after whiplash injury. Cephalalgia. 1997;17:288-289.
26 Michler RP, Bovim G, Sjaastad O. Disorders in the lower cervical spine. A cause of unilateral headache? Headache. 1991;31:550-551.
27 Fredriksen TA, Salvesen R, Stolt-Nielsen A, Sjaastad O. Cervicogenic headache:long-term postoperative follow-up. Cephalalgia. 1999;19:897-900.
28 van Suijlekom JA, Weber WEJ, van Kleef M. Cervicogenic headache: Techniques of diagnostic nerve blocks. Clin Exp Rheumatol. 2000;18(Suppl 19):S39-S44.
29 Stolker R, Vervest A, Groen G. The management of chronic spinal pain by blockades: a review. Pain. 1994;58:1-20.
30 Schellhas KP. Facet nerve blockade and radiofrequency neurotomy. Neuroimaging Clin N Am. 2000;10:493-501.
31 Bovim G, Berg R, Dale LG. Cervicogenic headache: anesthetic blockades of cervical nerves (C2-C5) and facet joint (C2C3). Pain. 1992;49:315-320.
32 Bogduk N. The anatomy of occipital neuralgia. Clin Exp Neurol. 1980;17:167-184.
33 Bremner-Smith AT, Unwin AJ, Williams WW. Sensory pathways in the spinal accessory nerve. J Bone Joint Surg Br. 1999;81:226-228.
34 Fitzgerald MJ, Comerford PT, Tuffery AR. Sources of innervation of the neuromuscular spindles in sternomastoid and trapezius. J Anat. 1982;134(Pt 3):471-490.
35 Jaeger B. Are “cervicogenic” headaches due to myofascial pain and cervical spine dysfunction? Cephalalgia. 1989;9:157-164.
36 Travell JG. Referred pain from skeletal muscle. NY State J Med. 1955;55:331-340.
37 Martelletti P, van Suijlekom H. Cervicogenic Headache—Practical approaches to therapy. CNS Drugs. 2004;18:793-805.
38 Blume HG. Cervicogenic headaches: radiofrequency neurotomy and the cervical disc and fusion. Clin Exp Rheumatol. 2000;18(Suppl 19):S53-S58.
39 Bovim G, Sjaastad O. Cervicogenic headache: responses to nitroglycerin, oxygen, ergotamine, and morphine. Headache. 1993;33:249-252.
40 Hobson DE, Gladish DF. Botulinum toxin injection for cervicogenic headache. Headache. 1997;37:253-255.
41 Wheeler AH. Botulinum toxin A: adjunctive therapy for refractory headaches associated with pericranial muscle tension. Headache. 1998;38:468-471.
42 Nilsson N, Christensen HW, Hartvigsen J. The effect of spinal manipulation in the treatment of cervicogenic headache. J Manipulative Physiol Ther.. (1997). ;20:326-330.
43Jull GA, Stanton WR. Predictors of responsiveness to physiotherapy management of cervicogenic headache. Cephalalgia. 2005 :25:101-108.
44 Jull G, Trott P, Potter H, Zito G, Niere K, Shirley D, et al. A randomized controlled trial of exercise and manipulative therapy for cervicogenic headache. Spine. 2002;27:1835-1843.
45 Biondi D. Physical treatments for headache: a structured review. Headache. 2005;45:1-9.
46 Roberts AH, Sternbach RA, Polich J. Behavioral management of chronic pain and excess disability: long-term follow-up of an outpatient program. Clin J Pain. 1993;9(1):41-48.
47 Reale C, Turkiewicz AM, Reale CA, Stabile S, Borgonuovo P, Apponi F. Epidural steroids as a pharmacologic approach. Clin Exp Rheumatol. 2000;18(Suppl 19):S65-S66.
48 Anthony M. Cervicogenic headache: prevalence and response to local steroid therapy. Clin Exp Rheumatol. 2000;18(Suppl 19):S59-S64.
49 Inan N, Ceyhan A, Inan L, Kavaklioglu O, Alptekin A, Unal. C2C3 nerve blocks and greater occipital nerve block in cervicogenic headache treatment. Funct Neurol. 2001;16:239-243.
50 McDonald GJ, Lord SM, Bogduk N. Long-term follow-up of patients treated with cervical radiofrequency neurotomy for chronic neck pain. Neurosurgery. 1999;45:61-67.
51 Lord SM, Barnsley L, Wallis BJ, McDonald OJ, Bogduk N. Percutaneous radio-frequency neurotomy for chronic cervical zygapophyseal-joint pain. N Engl J Med. 1996;335:1721-1726.
52 Bovim G, Fredriksen TA, Stolt-Nilsen A, Sjaastad O. Neurolysis of the greater occipital nerve in cervicogenic headache. A follow-up study. Headache. 1992;32:175-179.
53 Popeney CA, Alo KM. Peripheral neurostimulation for the treatment of chronic, disabling transformed migraine. Headache. 2003;43:369-375.
54 Holtz, S.C. and Sehgal, N. What is the correlation between facet joint radiofrequency outcome and response to comparative medial branch blocks?. Pain Physician. 2016; 19: 163–172
55 Falco, F.J., Manchikanti, L., Datta, S. et al. Systematic review of the therapeutic effectiveness of facet joint interventions: an update. Pain Physician. 2012; 15: E839–E868
56 Meucci, R.D., Fassa, A.G., and Xavier, N.M. Prevalence of chronic low back pain: systematic review. Rev Saude Publica. 2015; 49: 1 Crossref | PubMed| Scopus (35) | Google Scholar
57 Rathmel, J.P. Atlas of image-guided intervention in regional anesthesia and pain medicine. Lippincott Williams & Wilkins, Philadelphia; 2006: 65–92 Google Scholar
58 Badgley, C.E. The articular facets in relation to low back pain and sciatic radiation. J Bone Joint Surg. 1941; 23: 481
59 Bykowski, J.L. and Wong, W.H. Role of facet joints in spine pain and image-guided treatment: a review. AJNR AM J Neuroradiol. 2012; 33: 1419–1426
Crossref | PubMed | Scopus (12)
60 Barnesley, L., Lord, S., and Bogduck, N. Comparative local anesthetic blocks in the diagnosis of cervical zygapophysial joint pain. Pain. 1993; 55: 99–106
Abstract | Full Text PDF | PubMed | Scopus (229)
61 Barnesley, L., Lord, S., Wallis, B. et al. False-positive rate of cervical zygapophysial joint blocks. Clin J Pain. 1993;9: 124–130
62 Kaplan, M., Dreyfuss, P., Halbrook, B. et al. The ability of lumbar medial branch blocks to anesthetize the zygapophysial joint. A physiologic challenge. Spine (Phila Pa 1976). 1998; 23: 1847–1852
63 Manchikanti, L., Kaye, A., Boswell, M.V. et al. A systematic review and best evidence synthesis of effectiveness of therapeutic facet joint interventions in managing chronic spinal pain. Pain Physician. 2015; 18: E535–E582
64 Derby, R., Melnik, I., Lee, J.E. et al. Correlation of lumbar medial branch neurotomy results with diagnostic medial branch block cutoff values to optimize therapeutic outcome. Pain Med. 2012; 13: 1533–1546
65 Cohen, S.P., Strassels, S.A., Kurihara, C. et al. Establishing an optimal “cutoff” threshold for diagnostic lumbar facet blocks: a prospective correlational study. Clin J Pain. 2013; 29: 382–391

Voltar para Patologias